Uma História da Dúvida

Criada em Cabo Verde em 1998, em grande cumplicidade com uma vasta equipa de artistas e colaboradores de várias áreas, “Uma História da Dúvida” destaca-se pela invulgar dimensão, fruto dos múltiplos contributos dos envolvidos. A peça tem como ponto de partida entrevistas que os bailarinos e músicos fizeram à população de São Vicente. Foram colocadas questões sobre o Amor, a Dúvida, o Futuro e o Fim do Mundo. Inspirados pela sabedoria das respostas, os músicos e os bailarinos organizaram os meandros dessas divagações em poemas e depois os poemas em ritmos, música e gestos.

A peça começa com um filme que funciona como prólogo, que situa o espetáculo num território privilegiado para iniciar a viagem. Sozinho, na sua mota, o viajante segue o caminho delirante da vida. A velocidade do pensamento oscila entre o medo e a fuga, o som entre o ruído e a harmonia, as imagens entre a realidade e a ficção. O que se segue é um desenvolvimento deste primeiro enunciado.

O volumoso cenário, simultaneamente belo, cru e complexo, proporciona múltiplas situações dentro do mesmo espaço. O trajeto solitário torna-se agora comunitário.

 

"Uma História da Dúvida", estreada no Festival Expo’98 - “Mergulho no Futuro”, é apresentada quarenta vezes em oito países, (na Europa, Estados Unidos, Canadá, Brasil e Cabo Verde). Recebe o Prémio Almada, atribuído pelo Ministério da Cultura, e a nomeação de Espetáculo de Honra do Festival de Almada.

categorias

Direção artística e coreografia: Clara Andermatt | Direção musical e composição: João Lucas | Intérpretes, colaboradores, performers: Butch (Aires Henrique Silva), Avelino (Avelino Chantre Lopes), Félix (Félix Lozano Sanchez), Luís (Luís Filipe Nunes), Boris (José Silva), Zema (José Monteiro), Sócrates (Sócrates Napoleão Lima), Zezinho (José Semedo) | Músicos, colaboradores, performers: Nut (Arlindo Gonçalves do Rosário), Nhelas (Daniel Monteiro Rocha), Kabum (Domingos Sá), Voginha (José Carlos Brito), Jonlux (João Baptista Monteiro), Pantera (Orlando Barreto), Malaquias (Malaquias António Costa) | Assistente de dramaturgia: João Branco | Assistente de direção musical: Pantera (Orlando Barreto) | Assistente de ensaios: Amélia Bentes | Cenografia: MGC Arquitetos Associados | Figurinos: Ana Direito | Coordenação técnica e técnico de luz: Carlos Ramos | Desenho de luzes: Cristóvão Veríssimo | Direção de cena: Ana Paula Mendes | Técnico de som: Raul Ribeiro | Construção do cenário: David Mendes e José Paulo Fialho | Filme: Ruy Otero (realização), Ana Direito (assistente de realização), João Serralha (diretor de fotografia e montagem), Alberto Diogo (ator), João Lucas (música original)  Pantera (canção Batuko), Luminária (pós-produção áudio & áudio mixing) | Desenho gráfico: Carlos Gomes | Coordenação de produção: Teresa Santos | Administradora: Luísa Ramos | Produção: ACCCA Companhia Clara Andermatt | Coprodução: Festival “Expo'98 - Mergulho no Futuro”, IPAE - Instituto Português das Artes do Espectáculo do Ministério da Cultura, Fundação das Descobertas - Centro Cultural de Belém, Serviço ACARTE da Fundação Calouste Gulbenkian, MAPP - MuItiArts Projects and Productions | Com um subsídio de: The Dance Project of the New England Foundation for the Arts (Nova Iorque), Internationales Sommertheater Festival (Hamburgo) | Patrocínio: Montepio Geral | Colaboração: Fundação Ciência e Desenvolvimento

Fotografias de Jorge Gonçalves, José Fabião, Carlos Gonçalves

Próxima criação

Poemas de Amor

< anterior