BOX 2.0 – Instalação Holográfica

“Box 2.0 - Instalação Holográfica" é uma peça da autoria de São Castro e António M Cabrita, que remonta a 2018. Na sequência de um projeto que ambos apresentaram em 2013, os autores ampliaram este projeto artístico através do convite a outros coreógrafos nacionais, propondo uma pequena viagem pela história da Dança.

Dentro das várias caixas holográficas é possível visualizar a identidade física e artística, a linguagem coreográfica e o pensamento que reúne toda uma pesquisa coreográfica reflectida no movimento do corpo e os seus vários planos de significação. Clara Andermatt, Olga Roriz, Paulo Ribeiro e Rui Horta foram convidados a criar solos de curta duração, que são perpetuados através de um pequeno holograma em loop. 

Uma das premissas artísticas deste projeto assenta no questionamento do carácter efémero da Dança, procurando explorar questões como a de que modo este objeto artístico se poderá transformar em palpável/material, para além da sua manifestação físico-efémera original; ou como descolar, naturalmente, a Dança dessa efemeridade, redimensionando e reformulando as suas fórmulas de apresentação artística.

Esta obra estreou-se no Teatro Municipal Sá de Miranda (Viana do Castelo) e já passou também pelo Salão Nobre dos Paços do Concelho (Viseu) e o Fórum Municipal Romeu Correia (Almada).

 

BOX 2.0 - Instalação Holográfica 

de São Castro e António M Cabrita

conceito: António M Cabrita | autores do projecto: São Castro e António M Cabrita | elementos cénicos: Fernando Ribeiro | interpretação e coreografia: Clara Andermatt, Olga Roriz, Paulo Ribeiro, Rui Horta | produção: Companhia Paulo Ribeiro | coprodução: Teatro Municipal Sá de Miranda | fotografias: António M Cabrita

Fotografias de António M Cabrita (BOX 2.0), ACCCA (backstage)