Silêncio

Depois das peças “O Grito do Peixe” e “Levanta os Braços como Antenas para o Céu”, criadas com o envolvimento de grupos específicos, “Silêncio” assenta num processo de criação menos conduzido, que dispensa consensos e abre espaço a uma maior liberdade criativa, numa colaboração entre Clara Andermatt, F. J. Ossang, Peter Michael Dietz e Vítor Rua.

Uma procura pluridisciplinar dos silêncios de cada um, no movimento do dueto interpretado por Andermatt e Dietz, na projeção das imagens que evocam a poesia – e o silêncio – de paisagens portuguesas captadas por Ossang, e nas sonoridades compostas por Rua.

 

“Em Silêncio conta-se uma história que não tem inicio nem fim – apenas aparece e desaparece. O tempo é o portador do enredo performativo e o referente essencial para a compreensão da peça. O objetivo foi o de, a um evento, acrescentar um outro, depois outro e ainda outro, sem qualquer relação aparente, excepto o puro encanto de construir um abstracto encadeamento cinético. Se os eventos numa determinada peça se colam uns aos outros numa ordem particular é porque essa ordem vai necessariamente influenciar ou mesmo constituir o sentido da própria peça: abstrações, movendo-se, criando tempo – tornando visível o tempo! Em Silêncio não encontraremos nem passado nem futuro – só presente. Foi isto que sentimos ao imaginar esta peça: uma sensação de presente infinito…”

Clara Andermatt (2006)

categorias

Conceção e direção: Clara Andermatt | Filme e texto: F. J. Ossang | Música: Vítor Rua | Cenografia e luz: Carlos Gomes | Intérpretes: Clara Andermatt e Peter Michael Dietz | Figurinos: Lidija Kolovrat | Direção técnica: Carlos Ramos | Operador de som: Ângelo Lourenço | Maquinista: David Mendes | Equipa de filmagens: Denis Gaubert (diretor de fotografia), Elvire (assistente de realização), António Câmara Manuel (chefe de produção), Jean Christophe Sanchez e F.J. Ossang (montagem) | Produção: ACCCA Companhia Clara Andermatt | Produção Executiva: Narcisa Costa; Assistente de produção: Maria João Garcia  | Coprodução: Festival Temps d’Images 2006 / DuplaCena (Lisboa) e  La Ferme du Buisson, Scène Nationale de Marne-la-Vallée (Noisiel), O Espaço do Tempo (Montemor-o-Novo) | Apoio: Instituto Camões (para a apresentação do espetáculo em França) | Agradecimentos: Serge Catoire, Nuno Leão, Justino Pirata, C.M. de Montemor-o-Novo e Centro Cultural de Belém

Fotografias de José Alfredo

Próxima criação

Hot Spot

< anterior